No dia 20/11 (Sexta-feira), Será realizado o Fedora Release Party aposta online, em comemoração ao lançamento do Fedora 12 Constantine.

Local: Piccolino Millennium
Hora: 17:30

Na ocasião iremos disponibilizar DVDs, LiveCDs do novo release e adesivos.

Ok! Estou sumido…. Desde o FISL não dou noticias. Poucas twittadas… podem me chamar de pai desnaturado. Porem venho aqui fazer um post rápido para divulgar um evento que bets esporte vai ter aqui em Manaus: o Debian Day 09 que esse ano (pela primeira vez) está trazendo um convidado: Fábio Berbert, criador e mantenedor do Viva o Linux.

O evento acontecerá no dia 22/08 (sim, esse sábado!) e as inscrições podem ser feitas pelo site do evento.

Quero ver vocês lá ;-)

O VirtualBox é um virtualizador . Encare a virtualização como uma camada de abstração de hardware, onde um software (o virtualizador) gerencia os recursos de hardware de tal forma que seja possível instalar um sistema operacional sobre essa abstração aposta esporte bet. Se tornando uma máquina independente.

virtualizacao

Imagem ilustrativa de virtualização

Eu uso o VirtualBox para fazer laboratório em meus estudos de rede, mas o céu é o limite quando trabalhamos com virtualização. Já vi cada aplicação exótica dessa tecnologia. O Ruan Carvalho por exemplo, usa seu notebook para seu uso pessoal, e uma máquina virtualizada para trabalhar. Interessante não?

Se alguém quiser compartilhar outras formas interessantes de como usar essa tecnologia por favor, comente. :-)

Nesse post vou mostrar como é fácil instalar o VirtualBox no Fedora 11.

Inicialmente precisamos resolver as dependências:

# yum install make automake autoconf gcc kernel-devel dkms

Em paralelo (ou não), você pode fazer o download do VirtualBox no site do projeto.

# wget -c http://download.virtualbox.org/virtualbox/2.2.4/VirtualBox-2.2.4_47978_fedora11-1.i586.rpm

Para instalar o pacote, você pode usar tanto o yum quando o rpm. O “problema” de usar o yum é que ele verificará a assinatura do pacote e reclamará que ele não está assinado. Em compensação se faltar alguma dependência na sua máquina, ele tentará resolvê-la.

Para instalar:

# yum localinstall –nogpgcheck VirtualBox-2.2.4_47978_fedora11-1.i586.rpm

Após a instalação é necessário compilar o módulo do kernel vboxdrv. O próprio VirtuaBox tem um script que faz isso para nós. Para executá-lo, digite no terminal:

# /etc/init.d/vboxdrv setup

Se tudo der certo, você já terminou de instalar o VirtualBox em sua máquina. Falta só colocar seu usuário no grupo de usuários utilizadores do nosso virtualizador.

# usermod -G vboxusers -a

Problemas comuns

Kernel Headers

O kernel header é o protótipo das funções usado para compilar o driver vboxdrv. Tenha certeza que você instalou o pacote certo, para saber qual é o kernel que você está usando, digite:

[edgar@sysv ~]$ uname -r
2.6.29.4-167.fc11.i686.PAE

No meu caso, eu precisei instalar o kernel-PAE-devel para conseguir compilar o driver.

# yum install kernel-PAE-devel

SE Linux

Digamos que, a grosso modo, o SELinux seja uma camada de segurança no sistema de arquivos que por padrão vem ativado no Fedora 11. Eu particularmente, não conheço muito sobre o assunto, para não passar dor de cabeça
deixo o SELinux permissivo, você pode fazer o mesmo usando o utilitário do Fedora system-config-selinux.

Mas se você acha necessário usá-lo, você pode definir a regra de permissão no SELinux:

# chcon -t textrel_shlib_t /usr/lib/virtualbox/VirtualBox.so

Pronto! Se tudo der certo você está pronto para usar o VirtualBox.

$ VirtualBox

Uma das ferramentas mais esperadas no Fedora 11 foi o DeltaRPM (que inclusive ameaçou não sair). Para quem não sabe, o DeltaRPM é um utilitário que auxilia na atualização de pacotes no Fedora. Com ele, você não precisa fazer download de todos os pacotes completos em cada atualização.

A equipe de empacotadores do Fedora apenas empacota a diferença entre a versão atualizada com versão antiga dos binários, restando apenas correções de bugs e novas funcionalidades. Reduzindo drasticamente o tamanho do pacote. Proporcionando uma atualização mais rápida.

Só para vocês terem uma idéia, terminei de escrever esses dois parágrafos, e já atualizei 136 pacotes :-)

Se você está se coçando para testar e não sabe como, não se preocupe, adicionar ao Fedora essa nova funcionalidade é mais fácil que empurrar bêbado em ladeira. Abra o terminal mais próximo (como root) e digite:

# yum install yum-presto

A partir dai você já pode atualizar normalmente com o yum:

# yum update

Tonight we code in Hell!! :P

Tonight we code in Hell!! :P

Quem acompanhou a cobertura da minha instalação do fedora 11 pelo twitter?

Graças a meu amigo Daniel Bruno, não precisei fazer o download do Fedora 11. (Esse post iria sair só semana que vem. No melhor caso.) Ontem mesmo backupei tudo e instalei o Fedora na minha maquina.

A instalação

A instalação não mudou muita coisa, mas trouxe algumas surpresas. Como o suporte ao sistema de arquivos EXT4. Ok! Eu sei que não é novidade… A surpresa (pelo menos para mim) foi não poder usar o ext4 numa partição inicializável.

Pesquisando um pouco, descobri que o GRUB que vem na maioria das distribuições Linux não tem suporte a EXT4. Então você deve manter seu diretório /boot numa partição com sistema de arquivos EXT3.

A parte mais chata foi o fato do meu touchpad não ter funcionado, me forçando a instalar tudo pelo teclado. Após a instalação o problema foi facilmente resolvido.

Outro inconveniente foi a definição de repositórios na instalação. Ao marcar, ele começa a atualizar o mirror, sem nenhuma opção de cancelar. Ou seja, eu tive que abortar a instalação porque a internet aqui é horrível e não queria ficar esperando atualizar.

Mas fora isso, todo meu hardware foi detectado e está funcionando bem, obrigado.

Conferindo as novidades…

Como sempre, o Fedora consegue se superar quando o assunto é experiência com o usuário. Mudanças radicais de design sempre assustam o usuário. A equipe de Artwork do Fedora conseguem fazer a cada versão mudanças sutis mas significativas, dando sempre o charme que só o fedora tem ;-)

Gnome 2.26, Firefox 3.5b4, BrOffice3,1, etc… É tanta novidade que não dá pra ver tudo num único dia. Mas duas coisas me chamaram a atenção. O Thunderbird 3.0b2 está com suporte a abas!!! Já nos primeiros minutos senti impacto na minha produtividade.

O outro foi o suporte a Fingerprint anunciado no site do projeto. Alem de ser útil, é muito fácil habilitar e funciona muito bem.

O legal é que não precisei em nenhum momento apelar para o terminal, procurei fazer tudo via ambiente gráfico. E consegui, sem dor de cabeça.

Vou continuar brincando… qualquer novidade eu posto.

« Posts Anteriores  

rss twitter linux contato

livros interessantes

Publicidade